Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


.


Um presente atormentado pelo passado?

por ✓MS, em 04.08.15

O meu passado não foi excelente, como falei várias vezes aqui no blog, como por exemplo AQUI. Tive momentos que preferia ter desaparecido a ter de ouvir e calar. Calar porque era fraca psicologicamente para conseguir defender-me de pessoas que não sabiam do que falavam, que pouco se preocupavam com os meus sentimentos. Sim, fui fraca, extremamente fraca! Arrependo-me disso porque, se não o fosse hoje conseguia ser uma pessoa totalmente diferente e certamente muito mais feliz. Tive dias que queria chorar e já não conseguia, já nem para isso tinha forças. Mas, quando alguém me pedia ajuda para um problema seu, aqui a tolinha arranjava as forças todas do mundo, mesmo sabendo que estava ajudar pessoas que nunca na vida abriram a boca para dizer nada em minha defesa. Como se costuma dizer eu "comia e calava" (não era agredida fisicamente, era apenas psicologicamente), e ainda chegava a casa normalmente como se nada acontecesse. Porque não falava? porque estava exausta psicologicamente, porque tinha medo (sim, medo é a palavra certa) que tudo piorasse com uma queixa da minha parte. Ninguém percebe quando me explico, mas agora pouco importa, o mal foi feito e que tem os problemas sou eu. Problemas? Sim, problemas! Passei por tudo sozinha, muitas vezes com vontade de fugir, de desaparecer. Parecia-me uma boa solução, parecia estranho pensar aquilo, mas os problemas acabavam se fugisse... para mim, ou talvez não. Viver com a dúvida se íamos ser novamente olhados e gozados era uma ideia mais dolorosa do que a ideia de fugir. Doía pensar e doía muito mais ouvir palavras tão ignorantes, fúteis e inúteis. Passei noites a chorar até adormecer. Tive pesadelos em que me seguiam a insultar-me. O pior é quando sofremos tanto que chegamos ao ponto que acreditamos em tudo que de mau acontece. Eu vivia a esconder-me. Escondia-me das pessoas. Escondia-me das palavras amargas das pessoas. Escondia-me. Por algum motivo, não sei qual, a música e a escrita foram a minha salvação. A minha salvação em todos os aspectos. A minha dor aliviava. Passar por tudo sozinha não é simples, se tivesse falado a minha dor e tristeza teriam sido também aliviadas, eu sei! Mas não falei. Com o tempo percebi que a música e a escrita me faziam feliz e para quê desejar fugir quando temos pequenas coisas que nos fazem sorrir? E, acreditem ou não, sorrir de verdade e com vontade é o melhor do mundo, é melhor que todo o dinheiro do mundo! O dinheiro não compra isso! Foi aí que a minha vida começou a mudar aos poucos, uma mudança muito lenta e com altos e baixos. Mas os maus pensamentos começavam a ser menos recorrentes. Os pesadelos foram desaparecendo.

Não deixei de ser gozada, mas a minha postura foi mudando. Eu ficava afectada, muito! Mas a minha vida era melhor. Porém, existe sempre um mas, mesmo agora estando "bem", as coisas não são lindas e maravilhosas. Quando penso neste tema ainda mexe comigo, ainda me lembro do que sentia e da-me raiva. A ansiedade não passou! Sempre que vai acontecer algo novo lá ando eu nervosa, impaciente e com os nervos à flor da pele. A minha frieza é uma constante. O gelo ainda não quebrou e estou sempre na defensiva, é inevitável e é algo a trabalhar (seja de que forma for). A minha vida mudou tanto, mas o passado ainda afecta o meu presente, não tanto como antes mas afecta. Não é uma coisa que carregue num botão e tudo passa. Consigo pensar positivo,o que para mim é tão mas tão bom. Vivo de bem comigo, mas ainda existem arestas para limar. E se consegui até agora sozinha, porque não continuar a tentar?

Calar não é mesmo a melhor maneira de resolver as coisas, pelo contrário! Só vai piorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens