Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

.


E se um chefe te disser isso?

por *Márcia S.*, em 05.08.19

Não sei se é defeito ou feitio, mas em termos de chefias no local de trabalho já presenciei o 8 e o 80. Já tive chefes extremamente porreiros como já tive chefes extremamente sem noção! Há uns longos meses atrás quando em conversa com um desses chefes sem noção alguma estávamos a conversar sobre desmotivação e afins, ele saiu-se com uma pérola. Uma pérola daquelas que ficamos sem saber se respondemos ou se deixamos passar. 

No meio da dita conversa, esse chefe resolve dizer "vai para o ginásio, vais ver que a emagreceres a tua motivação no trabalho muda logo. Olha que eu tive uma depressão e passou logo a frequentar o ginásio". Entendia o que queria transmitir caso estivéssemos a falar de algo de foro pessoal. Porém, e relativamente ao assunto que estávamos a tratar naquele momento, foi completamente despropositado e sem noção. Sabem aquelas pessoas que têm culpa de algo estar a acontecer, mas tentam dar a volta a todo o discurso de forma a que a culpa vá parar a terceiros? Assim é ele. Tal e qual, sem tirar nem pôr!

A mente comanda o corpo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Trabalhar numa cadeia de Fast Food

por *Márcia S.*, em 01.08.19

O meu primeiro trabalho remunerado foi numa conhecida cadeia de Fast Food. Como muita gente acaba por apostar como primeiro emprego, para ganharem experiência e até juntarem "uns trocos". Sim porque, tirando os posto mais altos dentro dessas lojas, só conseguimos mesmo juntar uns trocos. Ninguém fica rico a trabalhar na área da restauração, muito menos numa loja de uma cadeia de Fast Food. Se alguém tenciona ir para uma delas sem ser pela experiência, mas para ganhar dinheiro, tire lá o cavalinho da chuva porque no máximo dos máximos conseguem sustentar algumas das saídas que têm e algo mais (caso não tenham necessidade de ajudar com despesas em casa). Cada caso é um caso e logicamente apenas posso falar do meu! Se é uma boa forma de ganhar experiência nesta área? Sim! Se ganhamos "estaleca" para o mundo do trabalho em geral? Sim! Se nos abre os olhos para a crueldade da vida? Sim! Se é uma opção de vida? Sim e não! Ora, só pode ser uma opção de vida se desejarem subir nessas empresas e, quem sabe, caiam nas boas graças dos vossos chefes/gerentes que vejam em vocês a capacidade de subir. Caso contrário, como mero colaborador, esta não é nem de longe nem de perto uma área que alguém possa querer fazer vida dela. É preciso terem muito amor a essa camisola para quererem algo assim. É uma área em que o trabalhador é bastante injustiçado, muitas vezes chamado "trabalho para aquecer", com horas de entrada mas sem hora certa de saída. É onde podem ter um chefe que não deixa de dar um sermão por 2 minutos de atraso mas quer que fiquem mais meia hora a trabalhar (sem receberem nada) porque no entender deles o serviço não está bom. É onde muitas vezes acham que uma loja se limpa bem e a 100% em meia hora (e se assim não for não faz mal, o funcionário que fique mais tempo a trabalhar sem ganhar nada em troca porque é a sua obrigação).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desabafos de autocarro

por *Márcia S.*, em 04.06.19

Este fim de semana fui sair e, como habitual, apanhei transportes públicos. Como também acaba por ser algo normal e muitas vezes frequente, as senhoras já com alguma idade acabam por meter conversa seja lá porque motivo for. Desta vez a senhora que me falou dizia-me que com este calor lhe sabia bem era ir para a praia, que adora praia mas que já não vai mais. Normalmente não costumo dar muita conversa, mas esta senhora tinha um olhar triste quando falava. Um sorriso meio forçado e um olhar bem triste. Acabei por lhe dizer para ir, já que lhe sabia bem. Ao que ela me responde  que deixou de ir para a praia porque tem vergonha dela mesma. Vergonha do corpo que tem por ser (palavras da senhora) gorda e ter as pernas roxas das varizes. Aí acabei por a encorajar mais a seguir o que realmente a faz sentir bem. Se gosta de praia, se ir para a praia a faz sentir bem porque não? Dizia-me ela que era o receio de olharem para ela. Por fim acabou por dizer que o marido lhe teria dito que tinha umas pernas horríveis. 

Quando ouvi tal coisa fiquei perplexa! Como assim o marido lhe disse isso?! Como assim ela deixa de ir fazer algo que a faz sentir bem com receio de algo por ter ouvido tal coisa do MARIDO?? Em seguida brincou a senhora "também lhe digo menina, nunca mais me viu as pernas, não gosta nem lhe mostro nada!". Confesso que no meio de tudo isso ainda foi o que me fez esquecer um pouco a parte anterior e rir um pouquinho! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A imagem tem assim tanto poder?

por *Márcia S.*, em 31.01.19

Directa ou indirectamente a imagem acaba por ter sempre algum poder, independentemente do caso em questão. Se concordo com esta "imposição"? Logicamente que não! Por muito que na minha opinião seja completamente ridículo julgarmos alguém pelo seu exterior, a realidade é que já é assim há muitos anos e sinceramente duvido que seja algo que volte atrás, seja de que forma for. Por muito que me custe a admitir, essa "lei" irá sempre permanecer quer nós gostemos ou não. Tantas e tantas vezes que tentaram combater essas formas de pensar e ver as pessoas no mundo e nada se mudou, ou pouco se mudou, não creio que seja agora que isso vá acontecer. De qualquer forma, não custa tentar certo?

Seja no dia-a-dia, em termos escolares, profissionais, familiares e tantos outros acabamos por ver que as pessoas acabam por ser uma imagem que se não estiver dentro daqueles limites já "não servem", já "não tem a aparência certa". Por vezes podem até ter a noção que aquela pessoa é excelente em fazer isto ou aquilo, que tem uma personalidade fantástica mas, não está dentro dos parâmetros estabelecidos pela sociedade. Sociedade essa cada vez mais hipócrita que prefere criticar a conhecer na realidade o outro lado do ser humano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando o tema é a minha perda de peso

por *Márcia S.*, em 04.02.16

É normal que a partir do momento que falei abertamente com as pessoas que me rodeiam que faço o esforço para me manter o mais saudável possível e perder peso, as pessoas falem abertamente comigo sobre o assunto. Sempre pensei que fosse ter um certo receio em falar sobre esse assunto com pessoas que mal conhecia, e mesmo com as que conhecia, como se fosse um assunto muito "tabu" apesar de não o ser. Sempre pensei que fosse ter alguns problemas em revelar certas coisas sobre o meu corpo, certas coisas sobre mim mesma que nunca tive coragem de revelar e falar abertamente nem com os meus pais. Sempre tive um certo receio de falar sobre mim e principalmente sobre o meu corpo, principalmente devido ao meu passado ter sido um tanto doloroso devido a esses mesmos aspectos. Sempre que algo me "incomoda" ou interfere comigo de algum modo, seja pela positiva ou negativa, eu fico corada. O facto de ficar corada não é possível de ser controlado e eu sinto logo que algum dos pontos que não costumo falar está a ser falado da forma que nunca imaginei.

No entanto, consegui surpreender-me a mim mesma conseguindo falar sobre tudo isto com as pessoas que conheço há muito ou pouco tempo, e até mesmo com a família. Já não sinto tanto que esses temas não deveriam ser falados, porque também já não existe o medo de me "mostrar ao mundo".

Por outro lado, quando tento ir buscar as memórias de anos atrás para recordar como eu era, já não consigo relembrar tão bem. Já não consigo recordar tão bem como era o meu corpo, como era eu antes da mudança. É certo que a mudança ainda tem muito para andar até ficar terminada, mas já deu um grande avanço desde o seu começo. Só mesmo por fotografias mais antigas consigo chegar a um ponto de me aperceber de como estava eu antes.

 

Tudo isto serviu para eu perceber que esta minha mudança me fez bem num todo, principalmente para perder alguns medos que tive em tempos e muitos deles desapareceram quase que por completo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens