Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

.


Quando me apanho sozinha em casa...

por ✓MS, em 30.07.20

Quando me apanho sozinha em casa é quando normalmente me dá aquela energia de fazer aquela limpeza geral na casa inteira! Sabem aquela sensação de que estão a limpar e ninguém vai sujar logo de seguida? ADORO!! 

Já houveram alturas mais "críticas" neste sentido, em que eu era muito mais obcecada com as limpezas de casa. Não tolerava mesmo uma migalha caída em qualquer local. Neste momento controlei mais nesse aspecto mas continuo a gostar das coisas limpinhas e bem organizadas. Não me dou mesmo no meio da desorganização!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há alturas na vida que nos faz bem espairecer, colocar as ideias em ordem e desanuviar. Depois de tanto tempo fechados em casa, ou de acumular imenso o stress, faz bem fazer algo que nos vá fazer sentir melhores connosco próprios. 

Pessoalmente gosto de passear com o meu namorado. Além de conversarmos sobre tudo e acabar por ter a perspectiva dele sobre tudo, incluindo os meus pensamentos, passeamos pelas zonas que nos apetece e gostamos. E o ar puro faz-nos tão bem! 

Um dos locais que gostamos de visitar nos últimos tempos foi a ribeira, e ter as vistas privilegiadas para o nosso rio Douro! 

 

IMG_20200630_150716.jpg

IMG_20200630_150903.jpg

 

 

Já conhecem o Instagram @na1pessoa?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por vezes dá-me vontade de rir, confesso. As pessoas pensam que só porque nós que temos um blog público temos de aceitar todas as opiniões que elas querem dar. Não, as  coisas não funcionam sempre assim, vai depender de quem está atrás do blog querer que a vossa opinião seja ou não ouvida naquela publicação. Se, por algum motivo, a pessoa em questão não quis autorizar a publicação de certos comentários, provavelmente quem o escreveu deverá fazer uma análise  disso mesmo. O facto de uma publicação num blog ser pública não significa que podemos comentar o que nos apetece. 

Este foi um dos motivos que me levou há uns anos a moderar os comentários no meu blog. Aceito mais de  90% dos comentários, no entanto há sempre um ou outro que rejeito. Todos temos liberdade de expressão, é uma realidade. Mas no meu blog ainda mando eu, no meu blog posso escolher não ter comentários que a meu ver são desrespeitosos ou não vão de acordo com o que eu pretendo. Então comentários em anónimo fascinam-me mesmo muito, refiro-me apenas aos que  pretendem ser agressivos na sua escrita, mal educados ou dar opiniões que ninguém lhes pediu e que apenas são opiniões parvas. Digo parvas porque nem se deram ao trabalho de pensar nas palavras que queriam escrever antes de o fazer. 

Já aceitei inúmeros comentários em que a opinião de quem comentava era diferente da minha, no entanto existia respeito no que escreviam e não agressividade nas palavras usadas. 

Atrás de um computador ou telemóvel todos são grandes e proferem palavras arrogantes e maldosas. Foi e será assim, espero que não para sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nesta fase de quarentena, em que grande parte ficou em casa e muitos outros ainda continua em casa, há e houveram muitas coisas que custaram. Não, não é o não ter ido ao cabeleireiro, eu prórpia dei um pequeno corte no meu cabelo durante a quarentena! O problema é estar em casa? Creio que ao fim de muitas semanas em casa uma pessoa tem aquela sensação de já não ter nada para fazer. Mas, se pensarem bem há uma imensidão de coisas que podem realizar em casa. Afinal de contas, muitos quando estavam a trabalhar desejavam ter tempo para estar mais em casa a descansar. Já descansaram tudo? então podem avançar para outras coisas EM CASA que podem fazer. Não precisam de limpar a casa 24h por dia, também não precisam disso. Mas há sempre alguma coisa para arrumar. Já abriram a vossa dispensa? Está tudo arrumadinho ou será que podem ainda arrumar qualquer coisa que certamente vos vai ocupar por volta de 1h talvez?!

Na minha opinião pessoal, tendo em conta a minha experiência, não me custa estar em casa, até porque é algo de que gosto e sempre gostei. O que mais me custou foi ter de ter estado este tempo todo, e ainda estou, sem ver o meu namorado. Algo que acontecia todos, ou quase todos, os dias. Tinhamos uma vida que encaixava bem uma no outra e conseguiamos ver um ao outro frequentemente. Do nada, tivemos de nos "separar". Sim, há coisas muito piores claramente que sim. Mas tendo em conta que o tema é o que mais custou  na fase de quarentena deixar de fazer, isso foi do que mais me custou pessoalmente. Há outras coisas que consequentemente aconteceram na minha vida, é uma realidade. Mas não é algo que seja da minha vontade partilhar, pelo menos hoje ou para já.

 

Já seguem o Instagram do blog? @na1pessoa

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que me ajudou nesta quarentena?

por ✓MS, em 01.05.20

Não fui nenhum dos casos, felizmente, de quem ficou confirmado com este vírus que invadiu o mundo. No entanto nem tudo é um mar de rosas, o facto de não estarmos doentes com algo que está a contaminar o mundo não significa que a nossa saúde mental ou física esteja impecável 24horas, 7 dias por semana. 

Posso confessar algo? Nesta quarentena senti realmente o que é deixar a mente invadir o nosso corpo e sentir a saúde fragilizar completamente. Desde ansiedade como nunca senti, entrar em momentos de pânico, sentir o corpo todo a tremer e só ter crises de choro. Se falei com alguém? Apenas com o meu namorado! E acreditem que me deu uma ajuda gigante mesmo sem estar lado a lado comigo. Conseguiu tranquilizar-me imenso e fazer-me sentir mais segura.

O exercício físico é outro dos pontos que me consegue ajudar ligeiramente neste aspecto. Não a 100% mas alivia a ansiedade um bom bocadinho!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens