Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


.


O meu mundo

por *Márcia S.*, em 24.08.15

Os meus pais chegaram a dizer que eu vivo muito no meu mundo. Até certo ponto têm razão, tenho um mundo muito meu que até hoje só deixei uma pessoa entrar nele sempre com uma barreira ou outra. No entanto tenho uma coisa que algumas pessoas desconhecem em mim porque não são assim, consigo adaptar-me a outros mundos quando me permitem entrar neles. Consigo ser um livro aberto para quem me souber entender, mas complexa de mais para quem não se dá ao trabalho de conhecer. Não nasci complexa, tornei-me assim a muito custo com os meus motivos. Afasto muita gente da minha vida, de uma forma muito arrogante e já tive problemas com isso mas aprendi e ensinei algumas pessoas a ver o meu ponto de vista. Todos precisamos de alguém, duvido que a solidão seja boa a longo prazo, mas não precisamos de toda a gente. Eu só preciso de quem acho que mereceu entrar na minha vida, seja lá de que forma for. Visto ser um tanto complexa vejo que só merece entrar na minha vida quem se esforçou para perceber o porquê das minhas acções e atitudes.
Normalmente sigo o caminho mais difícil de alcançar os meus objectivos, de me relacionar com alguém e de me dar a conhecer. É, para algumas pessoas, estranho mas eu gosto de pessoas difíceis. Quanto mais difíceis e "misteriosas", mais vontade eu tenho de as conhecer. Já me arrependi tanto com este meu feitio, mas já tive tantas surpresas boas que me fez continuar a querer manter-me assim.
Um dia, conheci uma pessoa extremamente difícil de lidar. Talvez a mais complicada que até hoje conheci. Julgou-me mal me conheceu e eu dei-lhe espaço, até voltar a insistir e ouvi algo do tipo "tu outra vez? não te cansas?". Só me canso de pessoas que não valem a pena, e senti que não era o caso. Mais tarde, houve pedido de desculpa, abriu-me a porta do seu mundo e éramos uma espécie de "almas gémeas". Fomos inseparáveis durante uns anos, coisas da vida que nos separaram mas nada de namoricos, não era nada disso. Era amor de amigos, porque também existe e naquela altura não tinha mal algum. As saudades são tramadas e já parti em busca desse passado em vão. Em vão porque já não encontrei a pessoa, provavelmente mudou tanto ao ponto de eu não a ter encontrado.

É a única pessoa que me recordo com mais saudade e obviamente que me conhecia melhor que ninguém. Se a reencontrasse não sei se a coragem era suficiente para a contactar, mas era um caso a pensar no momento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

.



4 comentários

Imagem de perfil

Andy Bloig a 24.08.2015

Era esta a "notícia" onde um certo chato (me) está proibido de comentar?



No Quinta vais ler algo, se quiseres, que, espero que não comentes... uma certa Parte nove... e penúltimo capítulo.


(agora ir agarrar ali na filha pirralha emprestada e ir ao centro comercial descobrir do que é que ela gosta para almoçar.)
Imagem de perfil

*Márcia S.* a 24.08.2015

Não me faças falar. :')
Está combinado.

Vê lá se ela não tem medo da tua altura :)
Imagem de perfil

Andy Bloig a 24.08.2015

Quando me conheceu, até tinha... agora sirvo de suporte para quando está cansada. (já que o pai se descarta... o "tio" é grande pode levá-la ao colo).

Hamburgueres sabem mesmo bem, com batata frita e muito ketchup. Também gostas?

Há que aproveitar, a pirralha vai-se embora no final do mês. Por vezes até é giro ensinar uma coisa destas que refila e reclama mas, faz o que lhe dizem (também faz coisas que se dizem para não fazer...).
Imagem de perfil

*Márcia S.* a 24.08.2015

Tão cruel! Agora amuei :(
Não se brinca assim com os desejos das pessoas pá, principalmente hoje xD

Ainda dizes tu que não queres um pirralho! ;)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens