Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Objectivos e metas, talvez

por ✓MS, em 20.12.16

Ao longo do tempo vou realizando objectivos pessoais que tinha. Nem sempre os vou substituindo, é certo, mas tenho sempre aquela vontade de arranjar novos. Para mim não faz sentido alguém viver sem um propósito, sem um ou vários objectivos/metas mais ou menos definidos. É como se esses objectivos e metas fossem a força, ou parte dela, que preciso diariamente para viver intensamente a minha vida. Talvez não devesse ter tantas metas a cumprir, as confesso que acabo por conseguir e ir jogando nas várias frentes.

Talvez agora tenha conseguido abrir alguns horizontes não abertos anteriormente. Talvez agora tenha despertado alguns desejos que anteriormente estavam mais "mortos". Viajar é um dos bichinhos que ganhei e quero no próximo ano conseguir realiza-lo, seja entre amigos ou sozinha. Não sei se me imagino a fazer qualquer tipo de viagem sozinha, mas o que é certo é que nos últimos meses me tenho sentido cada vez mais independente a esse ponto. Independente, como nunca me teria sentido antes, ao ponto de fazer o que antes seria impensável fazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como planeado

por ✓MS, em 20.12.16

E, como planeado, não parei de fazer exercício. Por vezes torna-se complicado com os horários mais apertados do trabalho, com o que se vai metendo pelo caminho para ser feito, com todas as tarefas do dia-a-dia. Não nego ser difícil, no entanto tenho conseguido fazer (uns dias mais do que outros) o que fui planeando. Seria impensável, inicialmente, vir do trabalho e fazer qualquer tipo de exercício físico. No entanto, 90% das vezes acabo a fazer algo, nem que seja caminhar antes de jantar, uns dias mais do que outros, mas evito ao máximo ficar sem fazer qualquer tipo de exercício. Sempre tive em mente que "parar é morrer", e talvez seja isso que me vai dando mais força nos dias mais cansativos que vou tendo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E quando quero chorar

por ✓MS, em 07.12.16

Por maior que seja a vontade de transmitir um papel de frieza, há sempre uma altura em que o mundo desaba. Talvez seja como lutar contra um furacão interior, uma vontade de deixar as lágrimas cair e por outro lado forçar para que isso não aconteça. "Não quero dar parte fraca", pensei e disse-o para mim mesma umas diversas vezes. Nunca gostei de demonstrar qualquer tipo de fraqueza em público, chorar seria uma delas. É impossível evitar a 100%, eu sei. "Chorar não faz mal", "chorar não é uma fraqueza", "podes chorar", foi-me dito de todas as vezes. Eu sei disso.

E, quando o quero fazer, maioria das vezes respiro fundo. 90% das vezes consigo superar o momento e "fraquejar" no "momento mais acertado".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não, não vou deixar partir

por ✓MS, em 06.12.16

Por vezes identifico-me com as crianças. Cheia de sonhos para concretizar, uns mais concretizáveis que outros, mas cheia de sonhos. É inevitável não o fazer, a vida é demasiado curta para não sonhar, para não sonhar todos os dias. Não, não há um único dia que não sonhe, até posso repetir a "visão", mas está sempre presente. Um dia, sei que vou agradecer a mim mesma por não ter deixado de sonhar. Posso não ter tempo de os concretizar a todos, mas irei sentir sempre a sensação de missão cumprida porque o tentar já é o principal para, quem sabe, conseguir. Sensação de missão cumprida só por ter sonhado e ter feito o esforço de os levar a bom porto. Não deixarei de sonhar nem deixarei nenhum deles partir!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vai ficando mais fácil

por ✓MS, em 01.12.16

Ao longo dos dias vai-se tornando mais fácil aguentar alguns contratempos. Tornei-me mais rápida a levantar e superar todas as pedras que vão aparecendo pelo caminho. Para muitos um poço de frieza, para outros alguém com força para aguentar e para outros ainda serei um misto de ambos. Na minha visão das coisas, talvez seja mesmo um misto de ambos os pontos de vista.

Ao longo dos dias vai ficando mais fácil de aguentar a dureza de algumas palavras proferidas. Por vezes surpreendo-me quando percebo que ainda não ouvi de tudo. Mas surpreendo-me muito mais quando vejo que superei bem o facto de ouvir A, B ou C. Já pouca coisa mexe comigo ao ponto de me levar a extremos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

.


Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens