Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O lado bom de lidar com o público diariamente

por *Márcia S.*, em 16.01.18

Nem tudo é mau quando se trata de lidar com pessoas diariamente no nosso local de trabalho. No meu trabalho, se não estou em erro, temos portugueses e mais 3 nacionalidades. Torna-se bom no sentido de conhecermos um pouco de diversas culturas e partilharmos experiências e nos ajudarmos mutuamente quando atendemos clientes que não são da nossa nacionalidade. Não se trata só da língua mãe ser diferente, com o tempo vamos aprendendo que cada nacionalidade quando pede um certo produto quer que seja servido de uma certa forma (não quer dizer que seja 100% certo mas digamos que é 85%). 

Quando lidamos com todo o tipo de clientes, de todas as nacionalidades, apesar das diversidades tem os seus pontos favoráveis. Por exemplo, em questão das nossas línguas maternas serem diferentes, acabamos por aprender muito mais assim a conviver com as pessoas do que propriamente na escola. Por mim falo, eu em línguas era (e ainda sou, se bem que menos um bocadinho) um zero. Mas ao ouvir tantas vezes aquela língua no nosso dia-a-dia acabamos por fixar algum vocabulário e conseguirmos manter uma conversa, mesmo que básica, noutra língua. Falo principalmente no inglês, francês e espanhol que são as que consigo ouvir mais no meu local de trabalho. De qualquer forma, não desisto de tentar aprender, com os próprios clientes, outras línguas. Sejam elas quais forem, pelo menos o obrigada e um "olá" gosto de saber dizer na língua materna da pessoa que está a ser atendida. Chamem-lhe mania, não importa. Nem sempre estou com disposição para isto, é certo, mas quando estou não tenho qualquer problema em questionar o cliente sobre como se diz isto ou aquilo na sua língua. As vezes que se proporcionou isto, os clientes acabavam a querer ensinar mais qualquer coisa e quererem aprender também a nossa, o que sinceramente é bom... como costumo ouvir dizer... "em Roma sê romano"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rotina a mais

por *Márcia S.*, em 14.01.18

Sinto que até certo ponto e falando no geral, acabamos por ter uma vida rotineira casa-trabalho e trabalho-casa. E mesmo no trabalho, falando pela minha experiência, acaba por ser um autêntica rotina, eu sei o que vou estar a fazer a tal hora, sei prever a hora a que vou sair, já quase que sei dizer minuto a minuto o que a equipa inteira vai fazer naquele dia, em quase todos os dias. Muitas vezes anulando o que queremos, o que nos apetece e nos satisfaz a 100%. Ficamos de tal forma habituado a essa rotina que nos esquecemos de outras coisas igualmente importantes na nossa vida. Os momentos fora do trabalho acabam por ser quase na sua totalidade para descansar e ignoramos tudo o resto. E, aos poucos, vamos pensando no valor de tudo, no que andamos aqui a fazer e talvez mais importante... o que queremos realmente fazer.

Este é um dos pontos que estou/vou tentar alterar ao longo deste ano. Gosto de saber sempre o que vou fazer, mas ter uma rotina fixa deixa-me de tal forma farta que terei de rever outras formas de sair dessa rotina stressante. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O silêncio é uma forma de comunicação

por *Márcia S.*, em 12.01.18

Sabem aquela sensação de não querer responder mais por ser uma perda de tempo? Pois bem, adoptei para alguns momentos da minha vida o silêncio. Sendo essa uma forma de ir preservando a minha saúde mental. Nem todas as pessoas merecem uma resposta nossa, até porque muitas das vezes nem temos vontade de tocar em certos assuntos, não queremos comunicar com elas ou simplesmente não nos dá vontade falar. Ultimamente prefiro dar o meu silêncio do que fazer conversa onde não sou eu a falar. Onde sou eu a dar a resposta mas, literalmente não sou eu a falar. 

E, sejamos sinceros, muita gente merece mais o nosso silêncio do que o nosso esforço a pensar numa resposta e o nosso tempo para responder. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens